Início > Exposições > São Paulo olha o Egito através de Napoleão

São Paulo olha o Egito através de Napoleão

Vue du sphinx et de la grande pyramide, prise du sud-est. Cobre - Schroeder - 43,2 x 60 cm - Água forte e bruril

Milhares de exposições e eventos acontecendo nesta enorme cidade, fica difícil escolher um para ir, mas neste sábado chuvoso acertei em cheio. Hoje, 6 de novembro, foi a abertura da exposição “O Egito sob o olhar de Napoleão“, no Itaú Cultural. Ela abrirá para o público amanhã, domingo, dia 7, e irá até 19 de dezembro. A entrada é franca e, para quem curte livros, história antiga e tecnologia, é imperdível.

Quando Napoleão invadiu o Egito para fechar o principal caminho dos ingleses para a Índia, junto com o exército seguiu uma legião de naturalistas, historiadores, artistas, pesquisadores, entre ele o nosso conhecido Saint-Hilaire, que esteve em São Paulo e deixou algumas passagens interessantes em seus livros, como a da pousada de um tal português Bexiga, que ficava mais ou menos na altura da Praça da Bandeira, no centro da cidade.

Pois, bem, os trabalhos produzidos por mais de 150 pesquisadores membros dessa expedição científica ao Egito foram reunidos em uma obra composta por 21 volumes: “Description de L’Egypte”, de 1809. O Itaú Cultural possui a obra, chamada de “elephantine” não sem razão, e a exposição gira em torno das gravuras de ciências naturais, arquitetônicas, arqueológicas, cartográficas e históricas selecionadas de 13 desses livros. As peças tanto podem ser observadas abertas e expostas, protegidas por vitrines, como interativamente, através de expositores digitais que dão a sensação de folhear as páginas dos livros e permitem obter visuais ampliados de alguns detalhes. Do Louvre vieram 14 matrizes de cobre com as quais as gravuras foram impressas há mais de duzentos anos; de coleções particulares e do Museu Nacional da Universidade do Rio de Janeiro vieram algumas peças egípcias bastante interessantes. Vale realmente a pena conferir.

Se você, como eu, odeia pegar trânsito e aceitar a minha dica de ver a exposição, vá de metrô e aproveite para dar uma passada na plataforma da estação Paraíso, sentido Jabaquara, onde, num pequeno e simpático túnel feito de madeira, vários painéis fotográficos contam a história do bairro. Mostram, por exemplo, a antiga fábrica da Brahma, ao lado da Igreja Ortodoxa, e a velha Igreja Santa Generosa, ambas já demolidas, além de uma delirante perspectiva do Jules Martin mostrando a inauguração da Paulista em 1891. Ele só poderia ter tomado aquela vista de um balão, a uns vinte metros de altura! Ou usado muita criatividade e regras básicas de perspectiva.

O Egito sob o Olhar de Napoleão – Itaú Cultural. Av. Paulista, 149, 2168-1776, metrô Brigadeiro. 3ª a 6ª, 9h/ 20h; sáb., dom. e fer., 11h/20h. Grátis. Até 19/12.

Inauguração da Avenida Paulista, 8 de dezembro de 1891. Aquarela sobre papel - Jules Martin. Museu Paulista/USP

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: