Início > Igrejas de São Paulo > Boas Novas da Boa Morte

Boas Novas da Boa Morte

Igreja da Boa Morte, vista da Rua Tabatinguera

Reaberta após passar por cuidadoso restauro,  a Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte é uma das mais antigas do centro de São Paulo e chama atenção por um outro fato: é a única da região central aberta 24 horas por dia.

A Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte nasceu no século  XVI no Pátio do Colégio de São Paulo, através dos jesuítas, tendo como seu primeiro local de culto a Igreja do Colégio, passando posteriormente para o Convento do Carmo. Em 1802, após licença eclesiática do bispo de São Paulo, d. Mateus de Abreu Pereira, a irmandade adquiriu de Joaquim de Sousa Ferreira um terreno na rua do Carmo. Por oito anos os irmãos trabalharam para a conclusão das obras, e em 14 de agosto de 1810 foi realizada a bênção solene do templo, inaugurado oficialmente em 25 do mesmo mês.

Igreja da Boa Morte - Seu sino servia de alerta para a chegada de visitantes ilustres

Do alto da Tabatinguera, sua torre avistava os viajantes que, pela estrada do Ipiranga, via Santos, chegavam a São Paulo, e seu sino dava o alerta, que era repetido pelas igrejas do Carmo, Sé,  São Gonçalo, São Francisco, São Bento, Santa Ifigênia, entre outras. Com o crescimento da cidade e da altura dos edifícios, a torre das “Boas Notícias”, como era chamada, acabou perdendo a sua função.

Bastante simples, a igreja até hoje ainda segue a descrição que dela fez Alfredo Moreira Pinto no seu livro A Cidade de São Paulo, em 1900: “Tem cinco janelas de frente, a torre à direita, a porta principal e duas laterais. O seu interior não tem ornamentação digna de menção. Possui a capela-mor com seis tribunas, e um altar com a Senhora da Boa Morte. No corpo da igreja há seis tribunas, dois púlpitos e dois altares, da Senhora da Piedade e Nossa Senhora da Conceição”.

Um fato curioso é que, após a expulsão dos jesuítas, a irmandade se viu em apuros. Como fora criada por esses religiosos, acabou sendo alvo de processo por parte da coroa portuguesa devido à adoração perene do Santíssimo Sacramento. Cada irmão recebia um papelzinho escrito à mão em que se determinava o mês, dia e hora em que cada um devia fazer as orações ao Santíssimo Sacramento. Como a técnica se revestia de certo mistério que levou à suspeita de um ato pró-jesuíta, o governo interveio. Após a devassa, constatado que nada de errado havia, a irmandade pode seguir com sua devoção em paz.

 

Altar principal e tribunas laterais

Pintura do teto descoberta durante os trabalhos de restauro
Anúncios
  1. Javier
    28/12/2010 às 14:51

    Certeza que essa igreja é do séc. XIX?? O estilo é tao retardatário que dá pra puxar as datas até uns 150 anos antes. Nao vejo muita diferença entre a organizaçao espacial, elementos, etc. desta igreja e as últimas do barroco e rococó mineiro. :/

    • 28/12/2010 às 15:12

      Olá Javier, sim, certeza. O restauro fez parte das comemorações dos 200 anos de sua construção. Ela é do início do XIX. Pela arquitetura tardia da Boa Morte você bem pode avaliar o quanto a São Paulo colonial do período era atrasada em relação as demais cidades brasileiras do período.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: