Início > Sem categoria > O Passeio do Veado da Rua São Bento

O Passeio do Veado da Rua São Bento

1862 do largo do ouvidor em direção ao mosteiroRua São Bento em 1862, vista da esquina da Rua do Ouvidor, atual José Bonifácio, em direção ao mosteiro

Por Edison Loureiro

Se alguém estranhou o título, pode ficar despreocupado porque eu não perdi a compostura nem vou comentar sobre nenhum rapaz alegre saracoteando no centro de São Paulo. O veado em questão era uma escultura de madeira pintada de dourado que servia de frontispício em uma farmácia, a Botica Ao Veado D’Ouro, talvez esta escultura exista até hoje.. vai se saber…

Chegou a ser a farmácia mais antiga de São Paulo, pois foi fundada em 1858 por Gustavo Schaumann.  A origem da botica vem de mais longe. A história foi assim:

Philip Gustav Schaumann nasceu em Hamburgo no dia 21 de janeiro de 1825. Pertencia a uma família burguesa culta e politizada. Estudou química na cidade de Heidelberg, graduou-se farmacêutico e fez parte do exército prussiano chegando a participar da campanha contra a Dinamarca em 1852.

Em 1853 veio para o Brasil. Gustavo Schaumann não seguia o padrão dos imigrantes alemães que eram subvencionados pela Província para obras públicas ou trabalho agrícola, era culto e tinha recursos. O que levou aquele jovem de 23 anos, tão bem preparado a dar baixa no exército e partir para tão longe? Seriam motivos políticos? Seria um desertor? Queria evitar alguma punição? O motivo de sua emigração é até hoje ignorado.

Ficou por um tempo em Santos e depois seguiu para Campinas onde ficou amigo de Gustavo Gravenhorst. Lá abriram uma casa de secos e molhados e também alguns medicamentos manipulados.

Gravenhorst muda-se para São Paulo e abre uma casa de papéis, livros e outras miudezas. Schaumann o segue e em 12 de maio de 1858 torna-se sócio da loja, pensando em formar uma farmácia de alto padrão, havia somente quatro farmacêuticos em toda a cidade, que na época tinha menos que 30.000 habitantes. Neste mesmo ano Gravenhorst segue em viagem para a Alemanha para adquirir os equipamentos necessários à montagem da botica, ficando Schaumann cuidando do negócio.

veado douro CI192107163.pdf

A fachada do prédio onde funcionou a botica de 1858 a 1921

Porém, Gravenhorst adoeceu morrendo em território alemão e Schaumann, conforme o contrato social, acabou comprando a parte do extinto sócio.

Foi a partir de então que batizou seu estabelecimento de Botica Ao Veado D’Ouro, como uma homenagem ao brasão de seus antepassados e colocou a escultura no frontispício da loja.

1920

Frente da loja em 1920, no n. 40, antes da mudança para o n. 33.

E o veado dourado ficou lá até que num belo dia de maio de 1871, Gustavo Schaumann, que morava no sobrado, desceu para abrir a loja e viu que tinha sumido. Quem iria roubar uma escultura sem nenhum valor e tão conhecida? Schaumann não precisou de muito tempo para desconfiar que sem dúvida aquilo era obra dos estudantes da Academia de Direito do Largo de São Francisco, conhecidos por suas “estudantadas”.

Assim, mandou publicar anúncios nos jornais Diário de São Paulo e Correio Paulistano, com o seguinte teor:

“Veado – O abaixo assignado offerece ao ilm. sr. ladrão a quantia de 50$000 dinheiro à vista pelo veado que lhe roubou; e no caso de se realizar este negócio, promete, debaixo de sua palavra de honra, não denuncial-o às autoridades. Gustavo Schaumann”

Deve ter funcionado porque logo a estátua voltou ao seu lugar.

DSP 04-08-1871b

Diário de São Paulo de 04-08-1871

Mas este não foi o único passeio do veado. Durante a Primeira Grande Guerra (1914-1918) , quando o Brasil entrou no conflito ao lado dos aliados contra a Alemanha, apareceram agentes policiais e recolheram a escultura por um bom tempo. Era um símbolo de família alemã…

Quando a Botica mudou-se do número 40 (antigo) para o 33 (antigo) da Rua São Bento, o veado passou a ocupar um lugar de destaque dentro da loja. Do lado de fora, apenas uma placa com o perfil da marca.

Gustavo Schaumann retirou-se para a Alemanha em 1887 e morreu em Hamburgo em 1892.

A Botica Ao Veado D’Ouro continuou sob a direção de seu filho Henrique Schaumann. Em 1905, assumiu a empresa Alfredo Thiele e daí em diante passou por vários outros proprietários.

Em 1998 esteve envolvida em um escândalo de falsificação de medicamentos e em 2008 encerrou as atividades depois de 150 anos de existência.

Fontes

SIRIANI, Silvia Cristina Lamberg, Uma São Paulo Alemã, Arquivo do Estado de São Paulo, 2003

Revista A Cigarra, 2. Quinzena de julho de 1920

Revista A Cigarra, 1. Quinzena de julho de 1921

Jornal Folha da Manhã, 16-03-1958

Jornal A Província de S. Paulo, 01-12-1887

Jornal Correio Paulistano, 30-04-1858

Anúncios
Categorias:Sem categoria
  1. 08/01/2016 às 15:20

    Muito interessante conhecer mais sobre a História de Sp. E tb descobrir quem foram alguns “nomes de ruas” por onde a gente passa a vida toda e não sabe quem foram… Neste post, Henrique Schaumann…

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: