Início > Crônicas > A Burrocracia e a Pesquisa Histórica

A Burrocracia e a Pesquisa Histórica

Recentemente o escritor Laurentino Gomes, em um artigo do seu blog, comentou sobre as cartas que descobri em Nova York, publicadas no livro “Titília e o Demonão“, e lançou a pergunta: “A quem interessa esconder o passado?”.

Envolvido nas pesquisas para a conclusão da biografia “Domitila de Castro, a verdadeira história da Marquesa de Santos”, me deparei com a mesma questão levantada pelo autor de “1808” e “1822”. Em um livro chamado “História do Império: O Primeiro Reinado”, de Tobias Monteiro, o autor lança uma nota de rodapé um tanto quanto hermética:

Em país estrangeiro há, em mãos de uma sociedade de estudos históricos, preciosa coleção de cartas de D. Pedro I a Domitila, que o A. durante cerca de vinte anos debalde procurou fazer copiar, sem vencer a obstinação do respectivo presidente, insensível aos mais valiosos pedidos de compatriotas seus. Talvez um dia o exame desses documentos algo esclareça acreca deste assunto, a menos que eles não sejam de certa espécie, inconvenientes à publicidade.”

Decifrando: Alberto Rangel, o primeiro historiador dos amantes, soube que na Hispanic Society haviam cartas de Pedro para Domitila, mas Mr. Huttington, criador e presidente da instituição até sua morte, na década de sessenta do século passado, obstinadamente, sem razão alguma, impediu o pesquisador de ter acesso às cartas que eu reencontrei. Tal como Moisés diante da Terra Prometida, Rangel foi impedido, pela censura de um estrangeiro, de ver completa a obra que lhe consumiu mais de meio século, uma publicação contendo todas as cartas conhecidas trocadas entre o casal.

No Brasil não precisamos de censura para que a roda da pesquisa trave. Temos nossa herança lusitana: a Burrocracia. Até estudantes do ensino fundamental sabem como algumas bibliotecas e Centros Culturais em nosso país funcionam, com raras e gloriosas exceções. Se o microfilme está funcionando, não existe papel para tirar cópia do artigo de que você precisa; se tem papel, é a máquina que está quebrada e não tem previsão de conserto “porque o administrativo ainda não teve tempo de mandar uma solicitação para que seja feita uma licitação”… Com a copiadora idem!

Determinados museus, como o Museu Imperial, em Petrópolis, com o seu excelente atendimento a distância, pertencem a um mundo a parte. Tudo funciona, prazos são cumpridos, e o pessoal atende sempre com simpatia e prestatividade. Me iludi terrivelmente. Ao ser mimado por eles, imaginei que outros arquivos federais funcionassem do mesmo modo… “Ledo e ivo engano”, parafraseando Cony. Em alguns você simplesmente perde a viagem, como recentemente ocorreu, pois me atrevi a aparecer, no dia de atendimento ao público de um arquivo, sem marcar hora – no site da instituição não dizia que isso era necessário. Os funcionários que deveriam estar realizando atendimento encontravam-se todos em um imenso salão cheio… de moscas. Uma atendente lia catálogo da Natura, a outra lixava a unha, e um terceiro não desgrudava do seu celular pelo qual enviava sms. Quanto a mim, tive que voltar com hora marcada…

Em outras instituições, já passei por um trabalho gigantesco de identificação. Como não pertenço à USP ou a alguma universidade, e pela minha idade, que vergonha, nem professor sou, me identifico como mero e simples “pesquisador independente”. Os atendentes ficam ao redor como se a qualquer momento você fosse enfiar um documento raro no bolso. Pena que o extremo cuidado é só com os consulentes. Já foi mais do que provado pelas notícias de jornais que os saques ocorridos em instituições brasileiras, cujos produtos, não raro, vão parar em leilões no Brasil e no exterior, são praticados de dentro para fora. Estagiários, ou até mesmo presidentes dessas instituições, numa prática muito comum no país, confundem o público com o privado, e o pobre do historiador de final de semana é que paga o pato…

A censura de documentos no Brasil prevalece? Se prevalecer, provavelmente, haverá algum burocrata de plantão que fará com que a censura tenha que preencher tantas vias necessárias para que seja impedido determinado documento de ser exposto que, quando o trabalho finalmente terminar, o documento já terá sido corroído pelas traças…

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: