A Igreja de São Gonçalo

P10809441936A Igreja de São Gonçalo em 2011 e 1936

Por Edison Loureiro

Quem chega à Praça João Mendes, vindo da Praça da Sé tendo à esquerda a Catedral, por onde era antigamente a Rua do Imperador, enxerga logo em frente uma Igreja amarela na direita de uma fileira de sobrados.

Tanto a igreja, como os sobrados parecem um tanto deslocados junto a edifícios de aparência tão séria.

Mas esta pequena igreja foi o marco inicial desta parte da cidade. Por muito tempo esta foi uma região isolada da pequena cidade de São Paulo, que ocupava vagarosamente os arredores do Pátio do Colégio. Esta região só começou a ser urbanizada a partir de 1757, quando uma pequena capela de pardos foi construída onde está a pequena igreja amarela.

Trata-se da igreja de São Gonçalo. São Gonçalo Garcia para esclarecer, já que existem dois santos de nome Gonçalo, este de quem estamos tratando e São Gonçalo do Amarante, este tão casamenteiro quanto Santo Antônio.

São Gonçalo Garcia era pardo e nasceu na Índia, filho de pai português e mãe indiana. Foi franciscano e morreu crucificado em Nagasaki, Japão em 1579, juntamente com mais 22 missionários. Foi beatificado por Urbano VIII em 1627 e canonizado por Pio IX em 1852.

Em 1724 foi formada na igreja de Santo Antônio a comunidade de Nossa Senhora da Conceição e São Gonçalo Garcia, que recebeu em 1756 a provisão do frei Antônio da Madre de Deus Galvão para a construção da capela a que nos referimos.

Foi dedicada à Nossa Senhora da Conceição pois Gonçalo Garcia ainda não havia sido canonizado. Com o tempo foi se deteriorando e por volta de 1840 foi construída esta igreja. Seu construtor foi Nicolau Alves da Fonseca, conhecido como Carranca. Existem registros mostrando uma disputa judicial com a Câmara, pois Carranca avançou em terreno os limites concedidos à irmandade. Esta disputa deve ter durado um bom tempo, pois o caso deixa de ser citado somente a partir de 1863.

A igreja passou por algumas reformas durante a segunda metade do século XIX e o frontispício que vemos hoje foi feito em 1881.

Em 1893, João Mendes de Almeida, que dá seu nome à praça, e morava ao lado, onde hoje é a Padaria Santa Tereza, reuniu recursos para uma última reforma na igreja, que neste mesmo ano passou a ser uma das poucas igrejas sob a guarda dos jesuítas.

Quando desabou o telhado da antiga Igreja do Pátio do Colégio, a Igreja de São Gonçalo recebeu o relógio e várias outras peças, inclusive a pedra que fica acima da porta de entrada. Tem uma certa lógica, pois o antigo Colégio foi fundado pelos jesuítas.

Em 15 de abril de 1966, D. Agnelo Rossi, cardeal-arcebispo de São Paulo, criou a Paróquia Pessoal de São Gonçalo especialmente para os japoneses e a confiou aos jesuítas. A igreja passou então a ser a Matriz da Paróquia. Todos os domingos às 8:00 h as missas são rezadas em japonês para a comunidade nipônica. O nome oficial hoje é Matriz Paroquial Pessoal Nipo-Brasileira São Gonçalo.

Sua companheira, a Igreja dos Remédios que ficava à esquerda, fechando a praça à altura da Avenida Liberdade já foi demolida no final da década de 1940, Mas S. Gonçalo continua firme no seu lugar oferecendo o pão que alimenta o espírito dos católicos. Como estes não são de ferro, podem aproveitar e dar uma passadinha ao lado, na Padaria Santa Tereza para um bom pão que alimenta o corpo e, de quebra, um cafezinho.

Categorias:Sem categoria

Um passeio na praia em 1860

Por Edison Loureiro

Quem nunca fez um “bate-volta” de São Paulo a Santos? É só embarcar a família no carro ou no ônibus e, no máximo uma hora e meia depois, deixamos o planalto e estamos à beira da praia. Dá tempo para um bom almoço, uns passeios e voltar ao cair da noite. Bem… isso se não for um daqueles feriadões que lotam as estradas.

Como seria uma viagem dessas em 1860?

Bem, o tal “bate-volta” seria impraticável, pois carros e ônibus não existiam e a ferrovia São Paulo Railway, mais conhecida por Inglesa, que ligava Jundiaí a Santos, passando por São Paulo, só começou a operar após 1865, como já contei em outro artigo. Mas mesmo assim as famílias, pelo menos aquelas com mais recursos, também passavam férias na praia, já naqueles tempos. Vamos imaginar como seria uma viagem dessas com a família?

Não. Não precisamos imaginar nada. Existe um relato bem detalhado feito por Maria Paes de Barros em seu livro “No Tempo de Dantes” que vai nos ajudar, além de relatos de outros memorialistas e viajantes antigos.

Maria Paes de Barros nasceu em 1851 e em 1944, com 93 anos e uma perfeita lucidez, escreveu o livro citado que mereceu um prefácio de Monteiro Lobato e uma introdução de Caio Prado Júnior. Era filha do Comendador Luiz Antonio de Souza Barros e sobrinha de Francisco Antonio de Souza Queiroz, o Barão de Souza Queiroz. Casou-se com seu primo Antonio Paes de Barros. Faleceu em 1952.

O Comendador Souza Barros foi um próspero proprietário de fazendas de café e cana de açúcar em Campinas e Piracicaba.

Moravam num casarão da Rua de São João, construído no fim do século XVIII que pertenceu inicialmente a Francisco Ignácio de Souza Queiroz, tio da memorialista. Francisco Ignácio foi o protagonista da célebre “bernarda” que acabou trazendo D. Pedro I a São Paulo na época em que acabou proclamando a Independência. O casarão acabou se transformando na Pensão Milano, cuja história também já contei.

A viagem era feita a cavalo e mulas, e a família levava um grande número de escravos, mucamas e pajens, além dos tocadores de dois banguês para o transporte das crianças. Levavam o necessário para montar uma casa, pois eram minguados os recursos do vilarejo de São Vicente, onde alugavam uma casa para a temporada.

Com tudo pronto e empacotado a caravana saía da Rua São João, seguia talvez pela Rua São Bento até a Rua Direita depois para o Largo da Sé e daí pela Rua de São Gonçalo (ficava no lado direito de quem está de frente para a Catedral) até o largo de São Gonçalo (atual Praça João Mendes), passava pela passagem estreita que dava ao Largo Sete de Setembro e descia a Rua da Glória. Passando o casarão onde foi há muitos anos a Chácara dos Ingleses, atual Praça Almeida Júnior, já começava a Estrada do Mar, que passava pelos arrabaldes do Ipiranga, levava a São Bernardo e descia a Serra do Mar. Pelo caminho iam avistando, aqui e ali, pequenas casas de comércio que atendiam as tropas que por ali eram frequentes antes da ferrovia. Com a chegada da ferrovia a maior parte destes pequenos comércios fechou.

Banguê

A viagem era feita em duas etapas. Na primeira paravam no alto da serra, onde existiam duas pousadas, o do Rio Grande e do Zanzalá. Mas não vá imaginar grande coisa. Apenas umas alcovas com telhados de telhas vãs e algumas camas para os mais afortunados.

Na manhã seguinte começava a descida da serra, pela antiga Estrada da Maioridade cujo projeto começou com o marechal do Corpo de Engenheiros Daniel Müller, o mesmo que construiu o obelisco do Piques, e terminou já na administração de Rafael Tobias de Aguiar, sob a orientação de João Bloem em 1846. A Estrada da Maioridade substituiu a antiga Calçada do Lorena de 1792, que foi usada por D. Pedro I no episódio da Independência.

Era a parte mais bonita e divertida da viagem, mas também a mais perigosa. Afinal a estrada tinha 20 palmos de largura, cerca de 4 metros e meio e cheia de abismos. Era comum encontrar tropeiros pelo caminho, pois em 1860 o trânsito de mercadorias já era intenso. Aí o jeito era encostar os animais de montaria bem perto da montanha para dar espaço às mulas que subiam a serra carregadas, seguindo a “madrinha” que vinha na frente toda enfeitada, cheia de guizos e os tropeiros gritando e reunindo os animais com um longo chicote. Não era à toa que o Comendador Souza Barros chamava aqueles profundos vales, cobertos de mata atlântica de “cemitério de burros”, pois tantos já haviam despencado nas profundezas.

Hercule FlorenceDesenho de Hercule Florence mostrando a antiga Calçada do Lorena

Em algumas de suas 12 voltas podia-se admirar o panorama do mar ao longe banhando a costa, espetáculo poucas vezes visto pela maioria dos antigos paulistanos. A caravana então fazia umas paradas para descanso e beber a água de uma das várias bicas que existem na serra.

Completados os sete quilômetros de descida, chegavam à planície do Cubatão, onde havia um pouso de tropeiros. Aí todos apeavam para um descanso e jantar.

Aqui vamos abrir parêntesis.

Nesta época os horários das refeições eram bem diferentes dos atuais. O almoço era entre nove e dez horas e o jantar entre duas e três horas da tarde. Às oito, a ceia, que normalmente consistia de chá com alguns biscoitos caseiros ou bolos.

Fecham-se os parêntesis.

maria albertina pinheiro da silva mesquitaQuadro de D. Maria Albertina Pinheiro da Silva Mesquita mostrando o rancho em Cubatão

Após o jantar, quando invariavelmente pedia-se peixe ou camarão, pois pescados do mar eram raríssimos em São Paulo, seguia a caravana. Passavam pela ponte coberta que atravessava o Ria Cubatão onde havia uma barreira para a cobrança das taxas de passagens. Daí prosseguiam pelo Aterrado. À tardinha chegavam à única rua existente em São Vicente, onde já tinham uma casa previamente alugada.

calixt27c
Tela de Benedito Calixto retratando Cubatão em 1826. À direita a ponte coberta.

Na manhã seguinte levantavam-se cedo para ir à praia, antes do sol nascer, pois acreditava-se que a exposição ao sol era prejudicial à saúde. Os pretos já tinham cortado alguns galhos bem enfolhados da mata e preparado a cabana para abrigo da família. Aí saíam todos vestidos com camisolões de baeta azul e tamancos de madeira, roupas de banho ainda levariam uns bons anos para entrar na moda.

Após o banho de mar e uma refeição, vinham os passeios pela praia. Se a maré estivesse baixa dava para ir até a ilha Porchat. À tarde passeios até a biquinha, que está lá até hoje, para beber água fresca.

biquinha final sec 19 paredão de 1850A Biquinha de São Vicente em foto do final do século XIX. O paredão indicava a data de 1850.

P1060825AAfotop

Foto do autor em 2009

Entre passeios e banhos de mar os dois meses de veraneio passavam rápido e chegava a hora de fazer o mesmo caminho de volta.

Pois é, passar uns dias na praia era uma aventura…

Categorias:Sem categoria

Uma lembrança da Biblioteca Infantil

Biblioteca Infantil Monteiro Lobato 1952

A Biblioteca Infantil Monteiro Lobato em 1952

Por Edison Loureiro

A Biblioteca Infantil Monteiro Lobato fica na Rua General Jardim, 485, Vila Buarque. Para quem não conhece o local, na foto aérea, a Rua General Jardim está na diagonal inferior e a Rua Major Sertório na diagonal superior. À esquerda fica a Rua Cesário Mota e à direita a Dr. Vila Nova. Foi a primeira biblioteca infantil da cidade.

A criação da Biblioteca Infantil Municipal é de 1936, parte do projeto cultural de um grupo de intelectuais, entre os quais Mário de Andrade, então diretor do Departamento Municipal de Cultura. A Biblioteca Infantil foi instalada em 14 de abril numa casa não muito distante do local da foto, na Rua Major Sertório. Nunca foi apenas uma simples biblioteca, mas um espaço cultural infanto-juvenil, com atividades variadas como, sala de jogos, hemeroteca, cinema, teatro e outras.

Biblioteca Infantil

O primeiro casarão onde se instalou a Biblioteca Infantil

Em 1945 a biblioteca muda-se para um local mais amplo, à Rua General Jardim, num palacete que era residência do senador Rodolfo Miranda. Esta casa não existe mais, ficava no local onde hoje é a praça da biblioteca. O senador Rodolfo Miranda era sócio do engenheiro Manuel Buarque de Macedo na empresa construtora Brasil, que comprou as terras de Rego Freitas e Rafael Tobias de Aguiar Pais de Barros, o segundo barão de Piracicaba, parte da antiga chácara de José Arouche de Rendon Toledo. Esta empresa fez o arruamento do atual bairro de Vila Buarque.

Em 1950 foi construído o prédio que vemos na foto e que foi inaugurado em 24 de dezembro daquele ano. A Biblioteca Infantil Municipal ganhou o nome de Monteiro Lobato em 1955. É a biblioteca infantil mais antiga do Brasil. Nas novas instalações além das outras atividades, ganhou sala de cerâmica e pintura, discoteca, mapoteca, hemeroteca, biblioteca circulante, auditório com teatro de fantoches e o museu Monteiro Lobato.

Já nesta data existia o jornal A Voz da Infância, totalmente feito com artigos redigidos pelas crianças. Uma das crianças de 1936 que estreou no “jornalzinho” foi Paulo Bomfim, hoje chamado de Príncipe dos Poetas de São Paulo. Também arriscava suas primeiras composições o inesquecível Paulo Vanzolini, autor de Ronda entre outras. O escritor Monteiro Lobato costumava frequentar a biblioteca para contar histórias e conversar com os frequentadores.

Desde a sua organização e fundação até 1961, quando se aposentou, D. Lenyra Fraccaroli, esteve à testa da Biblioteca Infantil Monteiro Lobato. D. Lenyra foi responsável pela criação, em 1947 da sala de Braille na Biblioteca Infantil.

Biblioteca Infantil Monteiro Lobato 1952a

 A Biblioteca Infantil Monteiro Lobato em 1952

Em 1952, graças à sua iniciativa construiu-se o Teatro Infantil Leopoldo Froes, ao lado da biblioteca, onde hoje está uma quadra esportiva no lado da praça que dá para a rua Dr. Vila Nova. Uma marquise unia o prédio da biblioteca à porta lateral do teatro. A marquise ainda está lá, mas o teatro desapareceu no começo da década de 1970. Uma pena, foi o primeiro teatro infantil do Brasil.

Teatro Leopoldo Froes 1952O Teatro Leopoldo Froes em 1952, com frente para a Rua General Jardim

Falar de D. Lenyra Fraccaroli assim como de sua sucessora D. Noemi do Val Penteado e de suas realizações no campo cultural vale um texto à parte. Tive a honra de conhecer as duas.

Em 1961, com 12 anos entrei pela primeira vez naquele prédio silencioso e apesar da caminhada de quase meia hora desde o Bexiga onde morava a visita tornou-se um hábito quase que diário até 1964. Participava das atividades do jornal A Voz da infância, que na época voltava à atividade. Além de colaborar com historinhas infantis algumas reportagens e fofocas dos colegas, eu “traduzia” todo o jornalzinho para o Braille, para a garotada do Instituto Padre Chico que comparecia semanalmente.

Naquela época convidamos Paulo Bomfim para ser o patrono do jornal e ele aceitou. A sala onde era a “redação” do jornalzinho passou a chamar-se Sala Paulo Bomfim. Porém há alguns anos, fazendo uma visita tive a tristeza de ver que não existe mais. Os tempos vão mudando.

Categorias:Sem categoria

O Tesouro da Casa Lebre

Tesouro

Esquina da Rua Direita com a Rua XV de Novembro no começo da década de 1900

Por Edison Loureiro

O casarão que vemos no centro da foto acima foi conhecido por ter pertencido ao Barão do Tietê. Mais tarde, em 1858 aí se instalou a Casa Lebre. Este casarão e o do Café Girondino na outra esquina da Rua XV de Novembro formavam um estreitamento da rua. O mesmo estreitamento era observado no final da rua, na Praça Antônio Prado, o que fazia com que a rua ficasse meio “barriguda”.

Por ocasião da demolição destes casarões a Prefeitura determinou um grande recuo para fazer o alinhamento com o novo prédio da Casa Paiva, na esquina com a Rua do Tesouro, eliminando o gargalo.

O casarão foi demolido no começo de 1907. Foi quando aconteceu um fato curioso.

Era manhã de domingo, 17 de março, mesmo assim Vicente Romeu, operário da obra de demolição trabalhava duro metendo a picareta na taipa de pilão para derrubar as paredes do sobradão.

Num dos golpes, viu que rolou dos escombros um cano de chumbo com as duas extremidades lacradas. Vicente largou a picareta por uns momentos e pegou o canudo para olhar de perto. Achou que poderia ser algo valioso e o escondeu por baixo do casaco com medo que algum outro operário visse e disputasse com ele.

O dia foi longo, morria de curiosidade. Poderia ser alguma joia escondida ou mesmo dinheiro, quem sabe? Afina, casas antigas têm seus segredos.

Enfim o expediente encerrou-se. Vicente correu para Rua de São João, 172 onde morava e entrou tão pálido e agitado, que a mulher perguntou se estava passando mal. Vicente respondeu que talvez tivesse encontrado uma fortuna. A mulher deu risada, mas quando viu o canudo perfeitamente lacrado, também se interessou.

O canudo tinha aproximadamente dois palmos de comprimento. Vicente quebrou o lacre e retirou de dentro um papel com um texto escrito em tinta roxa.

Isso era um tremendo problema! Como decifrar aquilo se nenhum dos dois sabia ler?

A solução foi chamar um compadre. Contou o acontecido e pede o máximo segredo. Em seguida pediu-lhe que leia o texto em voz baixa.

O papel dizia:

Sam Paulo, 14 de novembro de 1842 – Declaro que, tendo de me retirar desta cidade, por motivos políticos, e não podendo levar commigo o que possuo, deixo-o enterrado sob uma pedra, a quatro covados de profundidade, no centro desta loja, no ponto em que se cortam duas diagonaes tiradas dos quatro cantos da mesma loja. Na certeza de que talvez a Providencia não permitta o meu regresso lego este meu deixado ao feliz que este encontrar. Appello à sua caridade, como bom christão que mande celebrar cem missas para o descanço da minha alma. Outrossim, incumbo-lhe de distribuir da quantia e objetos hoje depositados a insignificante parcela de 5:000$000 de réis aos pobres desta cidade. Cumpra este meu pedido, quanto não tema a maldição e perseguição eterna da alma penada deste peccador, J.C.”

Vicente estava ansioso, mas não sabia exatamente o que fazer, portanto aceitou a sugestão do compadre e foram procurar um advogado. O advogado explicou como proceder e fez uma petição ao juiz de ausentes Dr. Clementino de Souza e Castro. Nesta petição relatava o acontecido e solicitava a metade do eventual tesouro encontrado para Vicente na forma da lei. Solicitava também que designasse operários da demolição para cavar no local indicado.

O juiz deferiu a petição e designou o doutor curador de ausentes para marcar a hora em que deveria se feita a diligência.

Tudo acertado, diligência marcada para as dez horas da noite de quarta-feira, 20 de março, lá se vão Vicente, o doutor curador de ausentes, policiais e operários, acompanhados de grande número de curiosos, cavar o chão do prédio em demolição.

Nas primeiras escavações encontraram uma grande pedra em formato de pirâmide de base retangular. Aumenta a expectativa, porém, não havia luz suficiente para continuarem os trabalhos. Assim suspenderam as escavações e marcaram para o dia seguinte às oito horas da manhã.

No dia seguinte a notícia do encontro do canudo que indicava um tesouro escondido já tinha corrido a cidade. Fazia-se todo tipo de especulação. Desde que era tudo uma troça, pois a tinta roxa não teria existido em 1842, ou quem seria o misterioso J. C. Ora, diziam os mais velhos, o barão de Tietê, José Manuel da Silva, antigo proprietário da casa, era sogro do sargento-mór José da Silva Carvalho, político inimigo dos revolucionários de 1842, que avançavam de Sorocaba sobre São Paulo. Na idade em que já estava deve ter se refugiado. Portanto, J. C. iniciais de José Carvalho.

O jornal O Estado de S. Paulo calculou em quinze mil o número de curiosos que passou pelo local e muitos ficavam acompanhando as escavações. Estavam presentes o próprio juiz de ausentes e o procurador da República, além de muitos policiais.

A obra foi interditada e cavaram das oito da manhã ao meio-dia e a única coisa que encontraram foi um pedaço de uma panela de ferro. O juiz determinou então que cavassem exatamente no centro da loja.

Outras quatro horas se passaram, e nada. Frustrados, retiraram-se o juiz e as outras autoridades ficando, porém alguns curiosos.

Cogitou-se de continuar em as escavações após a demolição total do casarão, mas nunca encontraram nenhum tesouro. Ou foram vítimas de alguma brincadeira ou o misterioso J. C. enganou-se na geometria. Em compensação o povo teve bastante assunto para comentar por um bom tempo.

Como lembrança do episódio o canudo ficou exposto na vitrine do jornal O Estado de S. Paulo. Era um tempo em que se acreditava em tesouros escondidos…

casa Lebre

O novo edifício que foi construído no lugar do antigo casarão. Era conhecido como Palacete Tietê. Ao fundo a torre pontuda do novo prédio da Casa Paiva. Foto de 1912.

Nota

Este relato foi extraído de reportagens publicadas no jornal O Estado de S. Paulo de 21 e 22 de março de 1907.

Categorias:Sem categoria

A história do Bar Viaducto

Por Edison Loureiro

SPP48a 30X40pO Café São Paulo e Bar Viaducro na Década de 1910, esquina das ruas Líbero Badaró e Direita

Os mais antigos devem se lembrar do famoso e elegante Bar Viaduto. Ficava na Rua Direita, 141, pertinho da Quintino Bocaiúva e do Palacete Toledo Lara onde se instalou a Rádio Record durante muito tempo. Os funcionários e artistas da Record eram sempre encontrados por lá. Famoso por seus sorvetes e petiscos e elegante por sua frequência e pela orquestra instalada no mezanino.

Mas o que talvez poucos saibam é que sua história remonta ao começo dos anos 1890.

A referência mais antiga que eu localizei é de um pequeno anúncio de jornal apregoando as qualidades do Café Viaducto que poderia ser encontrado no estabelecimento de “molhados finos de Borges, Milhomens & Guimarães, na Rua Direita, canto do Viaducto”. Em 1893, não era necessário dizer que se tratava do Viaduto do Chá, inaugurado no ano anterior, pois não havia outro na cidade.

Não encontrei nenhuma evidência, mas é provável que além de vender o café torrado e moído, também servisse a bebida preparada aos seus fregueses a exemplo do que faziam os outros poucos estabelecimentos similares que existiam em São Paulo.

1 - CSP 08-06-1893 cropJornal O Commercio de S. Paulo de 08-06-1893

Já em 1895 Milhomens e Guimarães saem da sociedade, que passa a ser dirigida por Antonio Monteiro Soares e Pedro Antonio Borges com a firma Monteiro & Borges e continuaram a vender café no mesmo prédio do “canto do Viaducto”.

Foi em 1907 que aconteceu a grande transformação. Já com Pedro Antonio Soares fora da sociedade que agora se chamava Monteiro &Comp., o jornal Correio Paulistano informava que “os proprietários do Café Viaducto transformaram este antigo estabelecimento numa bem installada confeitaria”. A inauguração foi em seis de dezembro, uma sexta-feira, com direito a uma “lauta mesa de doces regada a champagne” e orquestra animando a festa. Manteve-se no mesmo local, Rua Direita, esquina com a Líbero Badaró, “canto do Viaducto”. Logo em seguida inaugura uma filial na Av. Duque de Caxias com a Rua dos Guaianazes, no então elegante bairro do Bom Retiro.

5 - CP 06-12-1907 cropJornal Correio Paulistano de 06-12-1907

Em 1909 o Bar Viaducto é adquirido pelo Depósito de Café São Paulo, que pertencia à empresa Alves & Azevedo e muda o depósito para o local do bar Viaducto, mantendo seu “confortável ‘Salão-Bar’ e bem montada confeitaria”.

Mas não ficou por muito tempo no “canto do Viaducto”. Aquele prédio foi demolido em 1912 para a construção da residência do Conde Prates, que parece que nunca chegou a morar no local. Acabou abrigando o Grand Hôtel de La Rotisserie Sportsman, depois a sede do jornal Diário da Noite, nos anos 1930 cedeu o lugar para o edifício de mármore travertino que abrigou a sede das Indústrias Matarazzo e hoje é a Prefeitura de São Paulo.

bar viadutoRevista A Cigarra de 31-12-1914

O Bar Viaduto muda-se então para um sobrado estilo chalé que existia na esquina da Rua Anchieta com o Largo do Palácio, como era conhecido o Pátio do Colégio. Lá o encontramos em 1914 em uma reportagem da revista A Cigarra. A esta altura a firma Alves, Azevedo e Cia. já estava próspera, tendo adquirido um grande laticínio em Santa Bárbara o Monte Verde, MG, onde fabricava a afamada manteiga Viaducto que era vendida por quilo ou em latinhas. A manteiga chegou a receber um prêmio de honra e medalha de ouro na exposição de Milão de 1915. Além daquele laticínio, a empresa adquiriu fábricas em Lima Duarte e Santa Rita de Cássia em Minas Gerais e em Casa Branca, SP.

Mas não ficou muito tempo no Largo do Palácio. Em quatro de maio de 1916 era inaugurado o Bar Viaducto da Rua Direita, no antigo número 27, atual 141.

Em 1920, os sócios da empresa desfazem a sociedade, vendem o Bar Viaducto e dedicam-se exclusivamente às atividades das fábricas e venda por atacado. O Bar Viaducto passa então às mãos de Justo Fontana e Cesare Caselli, que formam a empresa Fontana & Caselli.

7 - OESP 13-10-1920 Bar Viaducto crop1Jornal O Estado de S. Paulo de 13-10-1920

Em 1923 o bar passa por remodelação e modernização, até a orquestra é substituída por uma com repertório mais apropriado para a época.

Em 1930 Julio Fontana resolve retirar-se para a Itália e a sociedade então é desfeita e formada uma nova com Cesare Caselli, Enrico Fontana, Octaviano Doas e Arturo Morassuti.

O Bar Viaduto, agora na nova ortografia sobreviveu até o começo da década de 1950. Em 1955 a Casa Beethoven, em expansão, acaba tomando o se lugar. Hoje vive apenas na lembrança de paulistanos mais antigos.

JN 08-09-1950 crop

JN 08-09-1950 crop1Jornal de Notícias de 08-09-1950

Com a colaboração e incentivo de Felipe Alexandre Herculano e Maria Paula Cosme.

Categorias:Sem categoria

A Casa de Câmara e Eusébio Stevaux

Casa de Câmara 1910A Assembleia Provincial ou Senado Estadual, antiga Casa de Câmara e Cadeia em 1910 na Praça João Mendes.

Por Edison Loureiro

O edifício que vemos na foto não existe mais. Foi demolido na década de 1940 no Plano de Avenidas do governo Prestes Maia. Ficava onde hoje está o acesso do viaduto D. Paulina para a Praça João Mendes. Ao lado esquerdo vemos a Igreja de S. Gonçalo que está lá até hoje, firme e forte.

Até meados dos anos 1700 esta região ficou um tanto “esquecida”. Era apenas um caminho das tropas que iam e vinham pelo caminho de Santos, atual Rua da Glória, atravessando o largo do Pelourinho em diagonal, depois também a praça e entrando pela antiga Rua do Imperador, depois do Marechal Deodoro, atual lado par da Praça da Sé. Outro caminho de tropas que passava pelo Largo era o antigo caminho de Santo Amaro que seguia pela atual Avenida Liberdade e Rua Dr. Rodrigo Silva.

Após a construção da capela de S. Gonçalo, cuja provisão foi dada em 1756, a região começa a se incorporar à cidade. Em 1783 resolve-se erguer a Casa de Câmara e Cadeia no Largo. Fato pouco comum às tradições das povoações luso-brasileiras, uma vez que não era uma região central e o pelourinho não havia sido colocado ali, defronte ao paço, como de hábito. Foi instalado no antigo Largo do Pelourinho, hoje largo Sete de Setembro.

A Casa de Câmara e Cadeia foi construída quase perpendicularmente à capela de São Gonçalo, com a frente voltada ao leste. Teve a fachada reformada em torno de 1791 pelo engenheiro militar João da Costa Ferreira e permaneceu sem modificações até 1877. A Cadeia ficava no térreo e a Câmara Municipal se reunia no andar superior. Pelas janelas os presos podiam conversar com quem passava pelas ruas.

Naquele  ano a Assembleia Provincial resolveu transferir sua sede para cá, repartindo o prédio com a Câmara dos Vereadores e o edifício é então reformado.

O responsável pela obra foi Eusébio Stevaux, engenheiro francês, nascido em 1826 e que chegou ao Brasil em 1851.

Sua vinda ao Brasil foi curiosa, literalmente acidental. Com 25 anos, havia sido contratado para serviços de engenharia na Califórnia, porém a galera Elisa, em que embarcou teria que contornar toda a América do Sul para alcançar o Pacífico, uma vez que o canal do Panamá ainda não existia. A galera aportou no Rio de Janeiro, um dos pontos previstos para abastecimento e reparos quando o casal Stevaux, Eusébio e sua mulher Léonie, desembarcou para entregar uma encomenda que um amigo enviava ao imperador D. Pedro II.

Enquanto o jovem casal está em terra, em 8 de fevereiro de 1851, uma explosão afunda a galera rapidamente, levando junto toda sua bagagem. Sem alternativa, Eusébio conseguiu trabalho na construção de um canal em Campos e posteriormente voltou ao Rio de Janeiro para trabalhar na construção da estrada D. Pedro II. E assim foi dando seguimento à sua carreira no Rio, em Minas Gerais e São Paulo. Em 1870 já havia assumido a cidadania brasileira.

Em São Paulo estabeleceu uma fazenda no Pantojo, perto de São Roque, onde dispunha de uma estação ferroviária. Nesta fazenda extraiu cal e mármore para construção civil, iniciando um rendoso negócio.

A partir de 1877, realizou várias obras como engenheiro provincial, cargo que ocupou até 1885, quando se exonerou e retirou-se para São Roque, onde fez parte do Conselho de Intendência, foi eleito vereador e projetou a rede de abastecimento da cidade de água sem custo. Morreu em sua casa no Largo dos Guaianases, atual Praça Princesa Isabel em São Paulo em 1904.

A reforma da Casa de Câmara e Cadeia foi feita e o povo gostou, conforme informa Eudes Campos, no artigo “Largo Municipal”, “Dentro do quadro de precariedade que aos poucos se dissipava em São Paulo, Stevaux procurou conferir um ar de civilidade cosmopolita ao edifício, ao introduzir nele uma aparência de hotel de ville ou mairie francesa. O resultado do ponto de vista estritamente estético não deixou de ser medíocre, mas os contemporâneos ainda inabituados com os padrões da arquitetura eclética internacional receberam o predinho com teto coberto com placas de ardósia como o suprassumo da Arquitetura”. As estátuas nos altos do edifício representavam a Lei, a Justiça, o Comércio e a Agricultura.

São Paulo ganhou assim o seu Paço Municipal. O largo à frente da Assembleia foi ajardinado em 1879 de acordo com projeto de Fernando de Albuquerque, equipado com um coreto e recebeu grades ao redor. Foi a primeira praça ajardinada na cidade.

A praça ficou simpática, como podemos ver pelas fotos, porém tinha um inconveniente, nos dias de função do Teatro São José não havia espaço suficiente para a quantidade de carros e tílburis que afluíam, formando grandes congestionamentos. João Mendes Júnior em sua obra A Monographia do Município da Cidade de S. Paulo, de 1882, afirma que o jardim municipal foi uma ideia infeliz. Portanto, caro amigo ou amiga, se você costuma irritar-se ao dirigir em São Paulo, fica sabendo que nossos avós e bisavós já sofriam com os congestionamentos de tílburis e carros puxados a cavalo.

A antiga Casa de Câmara e Cadeia, resistiu assim reformada até que na década de 1940, o mesmo conjunto de obras que deu origem à Praça Clóvis Bevilaqua, o Plano de Avenidas da Cidade de São Paulo, fez com que fossem demolidos em 1943 o edifício da Assembleia Legislativa e a Igreja dos Remédios junto com todo o quarteirão onde estava situada e mais todo o quarteirão irregular que ia da antiga travessa da Glória à rua Tabatinguera.

1862A antiga Casa de Câmara e Cadeia antes da reforma, em 1862.

Categorias:Sem categoria

Uma história de São Paulo

primeira missa oscar pereira da silvaA Fundação de São Paulo por Oscar Pereira da Silva – Pinacoteca do estado de São Paulo

Por Edison Loureiro

Vamos voltar por instantes ao ano de 1553 quando o padre Manuel da Nóbrega, vindo de São Vicente, visitou a colina conhecida como Inhapuambuçu, que em tupi é morro que se vê ao longe. Tinha a companhia de André Ramalho, filho de João Ramalho, o padre Manuel de Paiva e o noviço Antônio Rodrigues.

Ao norte da colina, lá pelas bandas do rio Anhembi, atual Tietê, vivia o cacique Tibiriçá, sogro de João Ramalho. Ao sul, na região que seria futuramente Santo Amaro, às margens do rio Jeribatiba, ou Jurubatuba o Índio Caiubi, irmão de Tibiriçá. Era uma região cruzada por dois caminhos utilizados pelos nativos, um era o caminho de Piratininga propriamente dito ligando as duas aldeias e que seguia aproximadamente pela atual Rua Álvares Penteado e o outro era o Caminho do Sertão, que alguns identificam com o lendário Peabiru. Este seguia a direção oeste  aproximadamente onde hoje fica a Rua Direita e a José Bonifácio. Conforme as histórias, seguindo por aí se chegava ao Paraguai e toda a América espanhola recheada de ouro e prata. De cada lado da colina do Inhapuambuçu um rio, o Tamanduateí a leste e o Anhangabaú a oeste. Ao norte o Tamanduateí engolia o Anhangabaú para logo adiante desaguar no Anhembi.

Pareceu a Manuel da Nóbrega o local ideal para sua missão. Uma colina cercada por dois rios, com mais segurança contra ataques e acesso mais fácil aos mantimentos que poderiam ser providenciados pelos indígenas. O Tamanduateí, além de fornecer água em abundância, seria uma excelente via de comunicação com outros locais. Ali poderia ser instalado o colégio onde os nativos poderiam ser catequizados longe da influência e interferência de portugueses.

De volta a São Vicente, Nóbrega envia à Bahia o padre Leonardo Nunes em busca de mais colaboradores. No grupo que retorna encontra-se o jovem noviço José da Anchieta, então com 19 anos.

Anchieta chegou a São Vicente em dezembro de 1553 e no mês seguinte Manuel da Nóbrega encabeçou a expedição ao planalto de Piratininga para dar início ao que seria o colégio dos jesuítas no planalto.

Estamos falando aqui em subir e descer a Serra do Mar com muita simplicidade, mas vamos deixar claro que se tratava de vencer uma altura de quase 800 metros apenas utilizando uma trilha de índios. Era preciso cruzar riachos, segurar em galhos e desviar de desfiladeiros.

Anchieta nos conta em uma de suas preciosas cartas “… que é caminho mui áspero e segundo creio o pior que há no mundo, dos atoladeiros, subidas e montes, o escolheram a ele como o mais rijo…”. Portanto amigo, quando encontrar algumas imperfeições nas estradas que vão ao litoral, console-se pensando no antigo padre e seus contemporâneos.

Piratininga designa peixe seco em tupi e era o nome que os sertanistas davam à região do rio Tamanduateí referindo-se aos peixes que ficavam ao sol quando a várzea secava. Dizem que os peixes secos atraíam formigas que por sua vez alimentavam os tamanduás, daí o nome Tamanduateí, rio do tamanduá. Mas alguns comentam que isto é apenas uma história pitoresca contada por Ruy Mesquita Filho no livro São Paulo de Piratininga; de pouso de tropas a metrópole. Existem historiadores que alegam que o nome Piratininga referia-se ao próprio rio Tamanduateí e ainda há aqueles que acham que deveria existir outro rio com o nome de Piratininga. De qualquer forma toda a região acabou conhecida como Campos de Piratininga, o que nos dá uma ideia do tipo de vegetação que existia por aqui.

O grupo chegou ao planalto do Inhapuambuçu no dia 25 de janeiro de 1554, quando foi rezada a missa numa cabana de pau a pique construída pelos índios do cacique Tibiriçá onde hoje está o Páteo do Colégio. Como era o dia em que se comemora a conversão de São Paulo, a casa foi dedicada a ele e o colégio levou o seu nome.

A cabana original tinha um só cômodo de “quatorze passos de comprimento e apenas dez de largura”, e provavelmente já existia há algum tempo, pois Anchieta diz na carta em que relata o quadrimestre de maio a setembro de 1554 que era “paupérrima e antiquíssima”.

Após a chegada dos jesuítas, Tibiriçá desloca sua tribo para perto da futura vila e vai viver onde seria o futuro Largo de São Bento. Caiuibi instala-se na parte sul perto do que seria hoje a região da Tabatinguera. Fica assim protegida a futura vila de São Paulo de Piratininga.

Aquela cabana serviu de capela, colégio e moradia para os jesuítas até 1556, quando o padre Afonso Brás a reformou e ampliou com a construção de oito cômodos para acomodação dos jesuítas além de construir uma capela nova dedicada a Bom Jesus que foi inaugurada em 1º de novembro daquele ano. Umas 130 pessoas viviam no local. Esta era, portanto, a população “urbana” daquela pequena povoação que um dia seria a cidade de São Paulo.

Categorias:Sem categoria
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.184 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: